15º Dia: Oremos pelos Toxicodependentes de Portugal!

10 04 2011

O uso de drogas é um problema que tem, não só consumido as vidas, mas as famílias de Portugal, que sofrem, vítimas de um assassino que mata aos poucos: o vício. O imenso número de casos revela o enorme vazio dentro das pessoas, e o descontrolado desejo de preenchê-lo. Uma vez, li uma frase de Tommy Tenney no Livro: “Os caçadores de Deus” e nunca a esqueci: “Não podemos dizer que estas pessoas não querem Deus; elas querem, só ainda não o encontraram”.

As drogas mais comuns em Portugal:

O álcool é a droga que maiores danos traz aos portugueses, tanto pelo facto de cerca de 2 milhões em portugal serem dependentes dele, como pelo número de acidentes e de violência, ocasionados em decorrência de seus efeitos. No caso dos adolescentes, o preocupante em relação ao álcool é a constatação de que o início do consumo tem sido bastante precoce e que seu uso frequente ou pesado atinge cerca de 30% dos jovens.

O tabaco (cigarro) aparece como a segunda droga mais consumida pela população, embora em níveis bastante mais baixos do que o álcool. Seu uso inicial também é precoce, tendo sido constatado que aos 10-12 anos cerca de 12% dos adolescentes já experimentou cigarros, ao menos uma vez.

Depois vem a heroína, a maconha, o uso de ansiolíticos, anfetamínicos, cocaína e também anticolinérgicos, barbitúricos, xaropes, orexígenos, alucinógenos e opiáceos.

O consumo da maioria das substâncias ilícitas em Portugal está “abaixo da média europeia”, disse hoje o director do Observatório Europeu da Droga e Toxicodependência (Um estudo que define o mapa do mercado de cannabis, a ser publicado este ano, estima que na União Europeia e Noruega sejam consumidas “anualmente 1750 toneladas desta droga”, um consumo que “poderá equivaler a um valor de venda ao público de cerca de 9,6 mil milhões de euros”). Embora tenha diminuído um pouco o consumo de outras drogas em Portugal, o consumo de heroína continua a crescer no país.

Consumo de 2007 :

Consumos dos toxicodependentes em tratamento:

(Estatística de 2008)

● Idade média do início dos consumos abusivos: cannabis aos 15 anos; álcool aos 19 anos; heroína aos 20 anos; cocaína/base aos 21 e benzodiazepinas aos 23 anos.

● Substância principal: heroína (67%), seguida do álcool (13%), cocaína/base (12%) e speedball (5%).

● Via de administração da substância principal: fumada (57%), seguida da injectada (28%).

● Com consumos endovenosos ao longo da vida (60%).

● Início do consumo endovenoso entre os 15 e 24 anos (69%), sendo a idade média os 22 anos.

● Nunca partilharam material de consumo (65%).

 

Falta de controlo eficaz de doenças é principal problema de Portugal:

O director do Observatório Europeu da Droga considera que o maior problema relacionado com o consumo de droga que Portugal enfrenta é ainda não ter conseguido mitigar eficazmente a transmissão de doenças infecto-contagiosas através das drogas injectáveis.

Dados Clínicos – Psicopatologias e Doenças Infecciosas:

● Com psicopatologias diagnosticadas (67%), sendo as mais comuns a Perturbação da Personalidade (31%) e as Perturbações do Humor (19%)

● Com marcadores positivos de doenças infecciosas (58%), sendo as mais comuns a Hepatite C (57%) e o VIH (12%); a maioria dos seropositivos não está em tratamento (98% e 57% dos diagnosticados com Hepatite C e VIH)

● Prevalências de infecção para a Hepatite C e VIH muito superiores no grupo de utentes com consumos endovenosos (85%/18%).

Segundo dados do Observatório Europeu, sediado desde 1995 em Lisboa, Portugal apresenta uma taxa de novos casos de HIV/Sida entre os consumidores de drogas injectadas oito vezes superior à média europeia.

Num relatório apresentado no fim do ano passado em Bruxelas, Portugal é apontado como o país onde surgiram mais casos de consumidores de drogas injectáveis infectados com Sida  (AIDS).

(Fontes: Jornal público, I.D.T. – Instituto de Drogas e Toxicologia)


Motivos de Oração:

  • Pela libertação e salvação de muitos que estão presos no vício.
  • Pela cura dos tantos infectados e doentes, por causa das drogas.
  • Pelas famílias, que sofrem demais, convivendo com este problema.
  • Pelos que estão em fase de recuperação; para que sejam perseverantes.
  • Para que a Igreja em Portugal trabalhe para que muitos toxicodependentes deixem as drogas e tenham suas vidas transformadas por Cristo.
  • Para que Deus livre o Seu povo da discriminação e do egoísmo e faça da igreja, um lugar de descanso e refúgio para o toxicodependente.
  • Pelas instituições que prestam apoio ao toxicodependente.
  • Oremos para que Deus possa fechar as portas para o tráfico de drogas no nosso país.

Que Deus os abençoe! Daniele Marques.

 


Anúncios