7º Dia – Vamos fazer a Luz Brilhar!

2 04 2011

“Será, pois, que, se não deres ouvidos à voz do Senhor teu Deus, não cuidando em cumprir todos os seus mandamentos e os seus estatutos, que hoje te ordeno, então virão todas estas maldições sobre ti e te alcançarão” (Dt 28.15).

Moramos em uma casa alugada. O dono construiu esta casa e por isso, ela pertence a ele. Ele é nosso senhorio, somos apenas inquilinos. Embora ele seja o dono, a casa é nossa, enquanto estivermos em acordo. Mas nós precisamos permanecer fiéis às cláusulas contratuais, no que diz respeito à preservação, manutenção e pagamentos. O senhorio nos fornece tudo o que precisamos para vivermos com dignidade: temos luz, água, gás, um teto, boas instalações. Mas tudo isso com uma condição: precisamos estar em dia com nossos compromissos e despesas mensais, para não sofrermos privações como: ficarmos sem água, sem luz, sem gás, sem alimento, sem conforto e consequentemente, sem casa para morarmos.

Pois bem! Se em nosso dia-a-dia somos responsáveis com os nossos compromissos, porque achamos que com Deus, podemos ser irresponsáveis? Deus nos deu esta terra. Não pagamos aluguel para morar nela, porque a relação dele para connosco é uma relação de Pai e filhos e ninguém cobra aluguel de seu filho. Mas, temos compromissos para com a sua preservação. Não fomos presenteados apenas com uma terra, mas também com uma vida, da qual,  somos igualmente responsáveis.

O que Deuteronômio 27 ensina é que se fomos responsáveis com os presentes que recebemos (a vida e a terra), receberemos como resultado da nossa fidelidade, todas as bênçãos, vigentes no contrato. Seremos imensamente supridos e abençoados em qualquer lugar onde morarmos, nossa família será abençoada, nossas finanças também. Teremos inimigos, mas triunfaremos sobre eles.

Todavia, Deuteronômio 28, apresenta as punições para a quebra do contrato: crises, confusão, enfermidades, fuga, queda, pragas, traição, roubo, opressão, catástrofes climáticas, muito trabalho e pouco retorno, falta de unção, problemas familiares, dívidas, etc. Estas são apenas algumas das punições, para quem desejar usar a terra e a vida, de maneira leviana. Nossos pecados tem ferido a nossa terra, tem atingido a nossa família, tem espoliado nossos bens, tem golpeado nossas finanças.

É difícil entendermos isso? Qualquer um entende que o criador tem o direito à patente. Por que achamos que Deus não tem direitos sobre nós, se foi Ele quem nos criou e criou também a terra em que vivemos?

Levítico 26.14-16 diz:
“ Mas se não me ouvirdes, e não cumprirdes todos estes mandamentos: se rejeitardes os meus estatutos, e a vossa alma se aborrecer dos meus juízos a ponto de não cumprir todos os meus mandamentos, e violardes a minha aliança, então eu vos farei isto: porei sobre vós o terror, a tísica e a febre ardente que fazem desaparecer o lustre dos olhos e definhar a vida; e semeareis debalde a vossa semente, porque os vossos inimigos comerão. Voltar-me-ei contra vós outros e sereis feridos diante de vossos inimigos; os que vos aborrecem assenhorar-se-ão de vós e fugireis sem ninguém vos perseguir”.

Levítico 26 apresenta um julgamento 7 vezes pior para cada nível de desobediência. Veja os versos 19 e 21:

“Quebrantarei a soberba da vossa força, e vos farei que os céus sejam de ferro e a vossa terra como bronze. Debalde se gastará a vossa força, a vossa terra não dará a sua messe, e as árvores da terra não darão o seu fruto. E se andares contrariamente para comigo, e não me quiserdes ouvir, trarei sobre vós pragas sete vezes mais, segundo os vossos pecados”.

E a coisa só vai piorando à medida em que a nossa desobediência aumenta: pragas, pestes, miséria, espada, fome, cidades desertas, terra assolada, ansiedade e calamidades.

Portugal vive 9 séculos de pecados acumulados!
A medida de sua iniquidade está cheia! E não sou eu quem diz isto, é a Palavra de Deus que testifica contra esta nação. Ou a nação se arrepende, ou estará na mira de um juízo sete vezes maior, a cada vez. Nestes últimos anos, muitos profetas se levantaram em Portugal, pronunciando o juízo sobre a terra, caso não haja arrependimento.

Semana passada, eu estava a conversar com um pastor, do Concelho de Sintra, e ele me disse que precisávamos orar para rompermos os céus de Portugal, porque a impressão que ele tinha, era que os céus da nação estavam fechados. E que a mente das pessoas estavam entenebrecidas, cheias de fortalezas, construídas pela desobediência.

Em nosso 4º dia de oração, recebi um e-mail, de um pastor do Brasil, que foi missionário por 11 anos aqui em Portugal. Ele está connosco nesta campanha de intercessão, é um homem de Deus e teve uma visão ao orar pela nação. Achei-a importantíssima e passo agora a compartilhá-lha, pois é uma direcção de Deus para este nosso período de intercessão:

“Enquanto orava hoje, tive uma visão em meu espírito. Quando comecei a oração uma nuvem negra invadiu minha mente. Não era nuvem de água nem fumaça, mas uma presença das trevas. Essa nuvem cobriu Portugal e o envolveu completamente. A nação mergulhou na escuridão, embora alguns pontos, bem pequenos, de luz podiam ser vistos espalhados pelo país. A impressão que tive era de que o Senhor se afastou de Portugal. O pecado dessa nação tornou-se insuportável para o Senhor. Existem lugares onde o Senhor não está, e Portugal é um desses lugares. Ele está em seus filhos (os pontos de luz), mas não na nação. Nem mesmo a igreja cristã está brilhando com essa luz. A idolatria, a feitiçaria, a bruxaria e o humanismo cobriram Portugal, entraram na igreja e o Senhor se afastou da nação. Não li seu Post hoje ainda porque queria escrever antes de saber o motivo de oração do dia. Mas me parece que Portugal sofre há muitos anos por causa de sua arrogância e sua incapacidade de reconhecer a necessidade que tem de Deus. Continuo em oração. Se não pudermos fazer a Luz voltar a brilhar sobre a nação, que ela alcance pelo menos alguns corações”.

A nossa situação é muito mais séria do que imaginávamos!

Se Portugal está em trevas, não podemos dormir na luz!

Se não acordarmos e não nos conscientizarmos do nosso papel como Igreja, sofreremos juntos com a nação! Se uma calamidade abater Portugal, como escaparemos? Ou você acha que Jeremias não sofreu com a calamidade de Judá? Ou você acha que Ezequiel e Daniel escaparam do cativeiro por serem profetas?

Somos pontos de luz pequenos, mas se nos unirmos e brilharmos todos juntos (na unidade do Corpo de Cristo), temos uma chance da Luz brilhar nos céus desta nação!

 

Motivos de Oração:

  • Oremos, pedindo perdão pelo pecado da nação. Perdão pelo pecado do orgulho, da arrogância e da incapacidade em reconhecer a necessidade de Deus.
  • Oremos, pedindo perdão pelo pecado da nação: idolatria, feitiçaria, bruxaria e humanismo.
  • Oremos, pela Unidade do Corpo de Cristo, em Portugal.
  • Oremos para que os corações estejam quebrantados e abertos à pregação da Palavra.
  • Oremos para que a igreja se levante em oração e ação!
  • Oremos pelos ares de Portugal, para que estas trevas sejam dissipadas e para que a Luz de Cristo enfim, brilhe sobre estes céus!

Que Deus os abençoe! Daniele Marques.

Anúncios

Ações

Informação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s