7º Dia – Vamos fazer a Luz Brilhar!

2 04 2011

“Será, pois, que, se não deres ouvidos à voz do Senhor teu Deus, não cuidando em cumprir todos os seus mandamentos e os seus estatutos, que hoje te ordeno, então virão todas estas maldições sobre ti e te alcançarão” (Dt 28.15).

Moramos em uma casa alugada. O dono construiu esta casa e por isso, ela pertence a ele. Ele é nosso senhorio, somos apenas inquilinos. Embora ele seja o dono, a casa é nossa, enquanto estivermos em acordo. Mas nós precisamos permanecer fiéis às cláusulas contratuais, no que diz respeito à preservação, manutenção e pagamentos. O senhorio nos fornece tudo o que precisamos para vivermos com dignidade: temos luz, água, gás, um teto, boas instalações. Mas tudo isso com uma condição: precisamos estar em dia com nossos compromissos e despesas mensais, para não sofrermos privações como: ficarmos sem água, sem luz, sem gás, sem alimento, sem conforto e consequentemente, sem casa para morarmos.

Pois bem! Se em nosso dia-a-dia somos responsáveis com os nossos compromissos, porque achamos que com Deus, podemos ser irresponsáveis? Deus nos deu esta terra. Não pagamos aluguel para morar nela, porque a relação dele para connosco é uma relação de Pai e filhos e ninguém cobra aluguel de seu filho. Mas, temos compromissos para com a sua preservação. Não fomos presenteados apenas com uma terra, mas também com uma vida, da qual,  somos igualmente responsáveis.

O que Deuteronômio 27 ensina é que se fomos responsáveis com os presentes que recebemos (a vida e a terra), receberemos como resultado da nossa fidelidade, todas as bênçãos, vigentes no contrato. Seremos imensamente supridos e abençoados em qualquer lugar onde morarmos, nossa família será abençoada, nossas finanças também. Teremos inimigos, mas triunfaremos sobre eles.

Todavia, Deuteronômio 28, apresenta as punições para a quebra do contrato: crises, confusão, enfermidades, fuga, queda, pragas, traição, roubo, opressão, catástrofes climáticas, muito trabalho e pouco retorno, falta de unção, problemas familiares, dívidas, etc. Estas são apenas algumas das punições, para quem desejar usar a terra e a vida, de maneira leviana. Nossos pecados tem ferido a nossa terra, tem atingido a nossa família, tem espoliado nossos bens, tem golpeado nossas finanças.

É difícil entendermos isso? Qualquer um entende que o criador tem o direito à patente. Por que achamos que Deus não tem direitos sobre nós, se foi Ele quem nos criou e criou também a terra em que vivemos?

Levítico 26.14-16 diz:
“ Mas se não me ouvirdes, e não cumprirdes todos estes mandamentos: se rejeitardes os meus estatutos, e a vossa alma se aborrecer dos meus juízos a ponto de não cumprir todos os meus mandamentos, e violardes a minha aliança, então eu vos farei isto: porei sobre vós o terror, a tísica e a febre ardente que fazem desaparecer o lustre dos olhos e definhar a vida; e semeareis debalde a vossa semente, porque os vossos inimigos comerão. Voltar-me-ei contra vós outros e sereis feridos diante de vossos inimigos; os que vos aborrecem assenhorar-se-ão de vós e fugireis sem ninguém vos perseguir”.

Levítico 26 apresenta um julgamento 7 vezes pior para cada nível de desobediência. Veja os versos 19 e 21:

“Quebrantarei a soberba da vossa força, e vos farei que os céus sejam de ferro e a vossa terra como bronze. Debalde se gastará a vossa força, a vossa terra não dará a sua messe, e as árvores da terra não darão o seu fruto. E se andares contrariamente para comigo, e não me quiserdes ouvir, trarei sobre vós pragas sete vezes mais, segundo os vossos pecados”.

E a coisa só vai piorando à medida em que a nossa desobediência aumenta: pragas, pestes, miséria, espada, fome, cidades desertas, terra assolada, ansiedade e calamidades.

Portugal vive 9 séculos de pecados acumulados!
A medida de sua iniquidade está cheia! E não sou eu quem diz isto, é a Palavra de Deus que testifica contra esta nação. Ou a nação se arrepende, ou estará na mira de um juízo sete vezes maior, a cada vez. Nestes últimos anos, muitos profetas se levantaram em Portugal, pronunciando o juízo sobre a terra, caso não haja arrependimento.

Semana passada, eu estava a conversar com um pastor, do Concelho de Sintra, e ele me disse que precisávamos orar para rompermos os céus de Portugal, porque a impressão que ele tinha, era que os céus da nação estavam fechados. E que a mente das pessoas estavam entenebrecidas, cheias de fortalezas, construídas pela desobediência.

Em nosso 4º dia de oração, recebi um e-mail, de um pastor do Brasil, que foi missionário por 11 anos aqui em Portugal. Ele está connosco nesta campanha de intercessão, é um homem de Deus e teve uma visão ao orar pela nação. Achei-a importantíssima e passo agora a compartilhá-lha, pois é uma direcção de Deus para este nosso período de intercessão:

“Enquanto orava hoje, tive uma visão em meu espírito. Quando comecei a oração uma nuvem negra invadiu minha mente. Não era nuvem de água nem fumaça, mas uma presença das trevas. Essa nuvem cobriu Portugal e o envolveu completamente. A nação mergulhou na escuridão, embora alguns pontos, bem pequenos, de luz podiam ser vistos espalhados pelo país. A impressão que tive era de que o Senhor se afastou de Portugal. O pecado dessa nação tornou-se insuportável para o Senhor. Existem lugares onde o Senhor não está, e Portugal é um desses lugares. Ele está em seus filhos (os pontos de luz), mas não na nação. Nem mesmo a igreja cristã está brilhando com essa luz. A idolatria, a feitiçaria, a bruxaria e o humanismo cobriram Portugal, entraram na igreja e o Senhor se afastou da nação. Não li seu Post hoje ainda porque queria escrever antes de saber o motivo de oração do dia. Mas me parece que Portugal sofre há muitos anos por causa de sua arrogância e sua incapacidade de reconhecer a necessidade que tem de Deus. Continuo em oração. Se não pudermos fazer a Luz voltar a brilhar sobre a nação, que ela alcance pelo menos alguns corações”.

A nossa situação é muito mais séria do que imaginávamos!

Se Portugal está em trevas, não podemos dormir na luz!

Se não acordarmos e não nos conscientizarmos do nosso papel como Igreja, sofreremos juntos com a nação! Se uma calamidade abater Portugal, como escaparemos? Ou você acha que Jeremias não sofreu com a calamidade de Judá? Ou você acha que Ezequiel e Daniel escaparam do cativeiro por serem profetas?

Somos pontos de luz pequenos, mas se nos unirmos e brilharmos todos juntos (na unidade do Corpo de Cristo), temos uma chance da Luz brilhar nos céus desta nação!

 

Motivos de Oração:

  • Oremos, pedindo perdão pelo pecado da nação. Perdão pelo pecado do orgulho, da arrogância e da incapacidade em reconhecer a necessidade de Deus.
  • Oremos, pedindo perdão pelo pecado da nação: idolatria, feitiçaria, bruxaria e humanismo.
  • Oremos, pela Unidade do Corpo de Cristo, em Portugal.
  • Oremos para que os corações estejam quebrantados e abertos à pregação da Palavra.
  • Oremos para que a igreja se levante em oração e ação!
  • Oremos pelos ares de Portugal, para que estas trevas sejam dissipadas e para que a Luz de Cristo enfim, brilhe sobre estes céus!

Que Deus os abençoe! Daniele Marques.

Anúncios